Pesquisar este blog

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Inotável

Hoje saí na rua
e a rua não me seguiu
nenhum mísero cachorro latiu em minha direção
os ventos e os olhares se desviavam
deixando-me inotávelmente sem importância
certamente sentiam a dor que habita meu coração
Os furos, já obscuros que se alastram a cada lágrima
essas mesmas lágrimas, ácidas, que corroem todo meu corpo
me levam a acreditar que me deixaram transparente
uma fantasia talvez, um abismo sem recomeço
que de tanto chorar, agora sou invisível
indiferente ou inexistente

Um comentário: